sexta-feira, 27 de julho de 2012

Esboço para um auto-retrato (em construção)


1. Qualquer compositor trabalha de acordo com uma filosofia da história. Frequentemente esta filosofia, apesar de determinante, não se expressa enquanto tal nos discursos mais correntes, mas apenas em termos técnicos musicais. Julgo que é um equívoco.

2.1. Boulez: "Há mais tradição numa Bagatela de Webern do que na Sinfonia Clássica de Prokoviev". Esta frase resume a visão dicotómica sobre as duas opções centrais do século XX.
2.2. Em que consiste a antinomia da posição da vanguarda do pós-guerra: por um lado, procurar legitimação na herança histórica, no mesmo momento em que, por outro lado, se defende e prescreve uma posição particular que obriga a romper com ela, reclamando a exclusividade da leitura e da interpretação correcta do passado.

3. Em relação a estas questões a minha posição é dupla :
a) recusa tanto os termos da dicotomia como a antinomia moderna radical;
b) mas não se inscreve na tradição "neo-clássica" (aliás, ela própria, moderna) na medida em que considera "vividas" e "admiradas" - reais, inapagáveis - algumas obras singulares produzidas no período das vanguardas pós-1945 e, por isso, que não é possível ignorar a sua existência e as suas consequências. Recusa um restauracionismo tonal de princípio ao mesmo tempo que procura superar as antinomias e prescrições anteriores. A música hoje tanto pode ser tonal como não ser. Mesmo, eu diria especialmente, no interior de uma única peça.

4. Esta posição, que reclama a liberdade do acto criativo e a singularidade das obras, de cada obra, é sempre mais difícil de realizar, na medida em que assume, em cada momento, uma posição de escolha livre e contingente. Isto não significa escolha "arbitrária"; significa uma escolha individual com base nos critérios que considero adequados naquele momento específico. Mas, assim sendo cada obra é sempre um começo, tanto quanto um estar-lançado em termos de possibilidades infinitas em aberto.

Nota à parte: a diagonal


Diz Alain Badiou: "o ponto chave do pensamento filosófico é sempre traçar uma diagonal através, e por entre, os binarismos estabelecidos […] através das oposições categoriais, delineando uma diagonal sem precedente."

Face às oposições binárias, às dicotomias, a criação aspira - através de um "esforço levado a cabo com a maior dificuldade" e não como "efusão espontânea de uma capacidade pessoal" - a encontrar a diagonal que permite à obra realizar-se como evento sem precedente. Este termo aqui é usado para além de qualquer conotação estilística. Caso contrário estaríamos de novo capturados pelas oposições binárias. Uma obra constitui-se sem precedente  na medida em que consegue ultrapassá-las e transitando através da forma, traçando diagonais, e assim atingir a singularidade

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial